11 de mar de 2016

Cientistas vão perfurar a cratera do asteroide que extinguiu os dinossauros

Objetivo é perceber consequências do impacto e de que forma o planeta se regenerou, para perceber o que acontecerá em caso de nova colisão


(DN - Portugal) Uma equipa de cientistas da Universidade do Texas, nos EUA, e da Universidade Autónoma do México, vão perfurar a cratera deixada pelo asteroide que, há 66 milhões de anos, provocou a extinção dos dinossauros e destruiu grande parte do planeta. A expetativa é de que, ao analisar os sedimentos que permanecem na cratera de Chicxulub, no Golfo do México, seja possível conhecer a forma como a vida se recuperou após este o impacto devastador, conta a CNN.

"Pode assumir-se que, na zona zero deste impacto, estamos a lidar com um oceano estéril e que, com o passar do tempo, se renovou a si mesmo. Podemos aprender alguma coisa para o futuro", disse ao canal Sean Gulick, do Instituto de Geofísica da Universidade do Texas.

O plano é iniciar a perfuração em abril, prevendo-se que o processo leve dois meses a concluir-se. Este esforço surge na sequência da análise dos dados recolhidos por uma perfuração comercial no local, que mostraram que o impacto do asteroide, com cerca de 10 quilómetros de largura, mudou a própria fisiologia do Golfo do México.

Os cientistas acreditam que o impacto do asteroide poderá ter sido mil milhões de vezes mais forte do que a bomba atómica lançada sobre Hiroshima, no Japão, e que terá feito entre 90 a 166 mil mortes em 1945. Depois de colidir com o planeta, o asteroide terá causado um efeito dominó de catástrofes naturais, cobrindo a terra com uma grossa capa de pó e sedimentos rochosos. Foi esta sequência de desastres que causou depois, segundo a teoria mais popular, a extinção dos dinossauros e répteis marinhos que, naquela altura, habitavam o planeta.

Compreender o que aconteceu na cratera de Chicxulub poderá ser fundamental para auxiliar os investigadores a fazer prognósticos sobre o que sucederia se, mais uma vez, um asteroide colidisse com a Terra. "Sabemos bem o que aconteceria se outro asteroide deste tamanho nos atingisse nos dias de hoje e não seria bom, mas o nosso trabalho contribui para um corpo de trabalho maior, dedicado a entender os vários processos geológicos e ecológicos que ocorrem quando se registam eventos de tal magnitude", explicou à CNN Jason Ford, o autor principal e geólogo de exploração para Chevron, a petrolífera responsável pela exploração comercial no local, e que antes era investigador no Instituto de Geofísica do Texas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente