22/11/2014

Unesco lança biblioteca científica gratuita e multilíngue para estudantes

A 'World Library of Science' já conta com 300 artigos, 25 e-books e mais de 70 vídeos cedidos pela revista Nature




(Galileu) A Unesco anunciou nesta segunda-feira (10/11) o lançamento de uma biblioteca científica, de forma gratuita e multilíngue, a estudantes de todo o mundo, além da comunidade científica, por ocasião da jornada mundial da ciência ao serviço da paz.

Este instrumento, batizado como Biblioteca Mundial de Ciência (WLoS, por sua sigla em inglês), conta com a parceria e patrocínio da revista científica "Nature" e do laboratório farmacêutico "Roche", indicou em comunicado a Agência da ONU para a Educação, Ciência e Cultura (Unesco).

Seu objetivo é "dar acesso a estudantes do mundo inteiro, sobretudo nas regiões mais pobres, às informações mais recentes sobre a ciência".

Além disso, "os estudantes terão também a possibilidade de compartilhar suas experiências e lições através de debates com outros estudantes em um contexto de ensino compartilhado".

Por enquanto, a WLoS conta com mais de 300 artigos de referência, 25 livros e mais de 70 vídeos, cedidos pela "Nature".

"O mundo necessita de mais ciência e cientistas para enfrentar os desafios atuais", indicou a diretora geral da Unesco, Irina Bokova, que pediu "uma educação científica mais apropriada e acessível".

Com este instrumento, a Unesco pretende favorecer a igualdade de oportunidades, melhorar a qualidade do ensino, reforçar a ciência e a educação, promover o uso de conteúdos educativos de livre acesso e fomentar a criação de comunidades de estudantes e docentes.
----
Matéria similar no UOL

21/11/2014

Cientistas do CERN descobrem duas partículas subatômicas


(Estadão/Exame) Cientistas do maior colisor do mundo anunciaram a descoberta de duas novas partículas subatômicas nunca antes vistas, que poderiam ampliar o conhecimento sobre o mundo.

Uma experiência realizada pelo Grande Colisor de Hádrons (LHC) da Organização Europeia para a Pesquisa Nuclear, conhecida como CERN, confirmou a existência das novas partículas, que já eram previstas pelos cientistas.

Ambas são bárions feitas de três quarks, unidas por uma força intensa.

Em um comunicado, funcionários do laboratório anunciaram a descoberta, que pode aprofundar o entendimento de como o mundo funciona além da teoria física do "modelo padrão", que explica o funcionamento por meio de blocos de matéria.

Os resultados foram publicados na Physical Review Letters.

"A natureza foi gentil e nos deu duas partículas pelo preço de uma", afirmou um colaborador do CERN, Matthew Charles, pesquisador do laboratório da Universidade Paris VI.

As novas partículas são seis vezes mais pesadas que os prótons, usados pelos cientistas para colidir deliberadamente uns contra os outros no túnel de 27 quilômetros na fronteira da Suíça com a França, perto de Genebra, com o objetivo de fazer descobertas sobre a composição do universo e suas menores partículas.

O maior peso das duas partículas se deve aos "spins" em direções opostas, que é "um resultado emocionante", afirmou Steven Blusk da Universidade de Syracuse, em Nova York.

O físico do CERN Patrick Koppenburg afirmou que o estudo, que usa dados recolhidos durante 2011 e 2012, pode ajudar na diferenciação dos efeitos do modelo padrão e em "alguma novidade ou algo inesperado no futuro".

Equipes de milhares de cientistas do CERN também usaram o acelerador para descobrir o chamado Bóson de Higgs, partícula sem a qual as outras não ficariam unidas e não formariam matéria.

A descoberta ajudou Peter Higgs a ganhar o Prêmio Nobel por conseguir provar suas teorias.

Coordenador da Olimpíada de Astronomia recebe homenagem em Alagoas

O professor João Batista Garcia Canalle, do Instituto de Física da UERJ e coordenador da Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica (OBA), recebeu o prêmio Rubens de Azevedo durante o 17º Encontro Nacional de Astronomia (ENAST), na Universidade Federal de Alagoas, em Maceió.

- Fiquei lisonjeado com a premiação. O que tenho feito é apenas seguir exemplos, como o do próprio Rubens de Azevedo, com o qual tive a felicidade de me encontrar uma única vez, pouco antes dele partir para ensinar astronomia entre as estrelas – relata Canalle.

Rubens de Azevedo foi astrônomo e escritor. Fundou a primeira Sociedade Brasileira dos Amigos da Astronomia (SBAA). O prêmio, que leva o seu nome, é dedicado a personalidades que lutam arduamente na divulgação e no ensino das ciências espaciais no Brasil.

O padre que matou Plutão


(Darwin e Deus - Folha) De quem foi a culpa pelo “rebaixamento” de Plutão, excluído de forma desapiedada da lista de planetas do Sistema Solar? Dos jesuítas, óbvio.

Sério, gente — parece trama de romance anticlerical do século 19, mas é a pura verdade — ou ao menos parte dela. Quem coordenou o Comitê de Resoluções da IAU (União Astronômica Internacional) que propôs formalmente a reclassificação do antigo nono planeta, bem como o responsável por escrever o texto que foi votado e aprovado pelos membros do IAU batizando Plutão de mero “planeta-anão”, foi o padre britânico Christopher Corbally, membro da Companhia de Jesus e pesquisador do Observatório do Vaticano. Olha a foto do homem aí embaixo. É o senhor do meio. (Notem que ele não está usando batina. Deve ser pra se disfarçar de um possível atentado dos Illuminati.)

Acontece que o Vaticano é um dos Estados-membro da IAU, e sua pequena equipe de astrônomos costuma produzir ciência de excelente qualidade, o que acabou levando à escalação de Corbally para esse papel importante na votação.

É claro que dizer que “Plutão teria escapado, se não fossem esses jesuítas intrometidos”, à la Scooby-Doo, é forçar a barra. Já havia um acúmulo enorme de descobertas mostrando que o antigo nono planeta era apenas mais uma bola de gelo entre a infinidade de corpos parecidos existentes nos confins do Sistema Solar, e que ele pouco tinha em comum com os planetas “verdadeiros”, o que motivou a decisão da IAU e sua aceitação pela comunidade científica.

A votação anti-Plutão aconteceu no já longínquo ano de 2006, mas só me dei conta da filiação religiosa do pesquisador após ler o divertido livro “Would you Baptize an Extraterrestrial?” (“Você Batizaria um Extraterrestre?”), dos jesuítas Guy Consolmagno e Paul Mueller, ambos cientistas do Observatório do Vaticano também.

Coursera - Curso de Introdução à Astronomia



Quer fazer um curso totalmente gratuito de Introdução à Astronomia durante as férias desse ano?

O curso é feito pela Universidade de Duke, tem duração de 13 semanas (com 6-12 horas de aula por semana) e está disponível no Coursera, um dos maiores sites de cursos online gratuitos do mundo.

Além disso, você ganha um certificado da Universidade de Duke após a conclusão do curso!

Existe uma ótima flexibilidade de horários para realizar o curso, que será lecionado entre 1 de Dezembro de 2014 e 5 de Março de 2015. É necessário ter conhecimentos em inglês, além de alguns conhecimentos que aqui no Brasil obtemos durante o ensino médio (isso está descrito na página do curso).

As inscrições podem ser feitas em:
https://www.coursera.org/course/introastro

Meteoritos caídos na Coreia do Sul são tão antigos quanto Sistema Solar

(EFE/R7) Cientistas da Coreia do Sul divulgaram nesta terça-feira que quatro meteoritos descobertos há alguns meses no sul do país têm 4,5 bilhões de anos e são tão antigos quanto o nosso Sistema Solar. Os meteoritos, encontrados em março na cidade de Jinju (a cerca de 430 quilômetros da capital) se originaram entre 4,48 bilhões e 4,59 bilhões de anos atrás, idade similar ao quase 4,56 bilhões de do sistema solar, informou o Instituto de Ciências Básicas da Coreia do Sul (KBSI, por sua sigla em inglês).

O KBSI apresentou nesta terça-feira o resultado da análise de vários meses das rochas espaciais encontradas no início de março por moradores de Jinju. Os meteoritos caídos em solo sul-coreano somavam um total de 34 quilos, dos quais seus proprietários doaram 312 gramas para as autoridades científicas sul-coreanas. De acordo com o Instituto, a análise foi feita por um dispositivo chamado espectrômetro de massas de íons secundários, que permite avaliar, quase sem danos, a proporção de diferentes minerais em uma amostra. Especialistas do instituto apresentarão os resultados do teste na Conferência Internacional de Ciência e Tecnologia Analítica, que deverá reunir mais de 250 cientistas de vários países, entre quinta-feira e sexta-feira, em Daejeon, a 150 quilômetros da capital.
----
Matérias similares no G1Exame e UOL


Lixo espacial em movimento - VIDEO

20/11/2014

Videocast "Céu da Semana" - 16 a 22 de novembro de 2014

Pesquisadores do ON são contemplados no programa Cientista do Nosso Estado 2014, da FAPERJ


(ON) Três pesquisadores do Observatório Nacional foram contemplados pela FAPERJ no programa Cientista do Nosso Estado 2014, cujo resultado foi divulgado ontem. Daniela Lazzaro, da COAA, teve aprovado o projeto "Propriedades físicas de corpos planetários: o projeto IMPACTON e além". Jailson Souza de Alcaniz, também da COAA, foi contemplado com o projeto "Astrofísica, cosmologia e gravidade modificada". Sergio Fontes, da COGE, foi selecionado com o projeto "Estudo geofísico integrado de bacias sedimentares brasileiras".

A concessão das bolsas do programa Cientista do Nosso Estado exige, entre os pré-requisitos, que os pesquisadores tenham grau de doutor e produção científica de alta qualidade, compatível com o nível de pesquisador 1 do CNPq, especialmente nos últimos cinco anos. As bolsas têm duração de 36 meses.

O Observatório Nacional parabeniza os três pesquisadores pela aprovação num dos editais mais concorridos da FAPERJ.

Mais informações aqui

Asterdomus - Semana da Astronomia - Planetário de Tatuí


Anuário Astronômico Catarinense 2015 - eventos de lançamento



- 4 de dezembro de 2014, Lançamento oficial no IFSC - Campus Fpolis.
- 11 de dezembro de 2014, às 17:00, Feira do Livro de Florianópolis.
- 22 de dezembro de 2014, às 15:00, Feira do Livro de Florianópolis.

Mais informações aqui

Mapa da NASA Mostra Impactos de Asteroides na Terra



País de Sorte
(Inovação Tecnológica) A NASA divulgou um mapa mostrando o impacto de asteroides na Terra. A quase totalidade deles era de pequeno porte, entre 1 e 20 metros de diâmetro, desintegrando-se ao entrar em contato com a atmosfera, gerando apenas um meteoro (o fenômeno luminoso, também conhecido como estrela cadente) sem que nenhum meteorito chegasse ao solo.

O mapa contém os dados disponíveis de 1994 a 2013, somando 556 eventos - o mapa não cobre todos os impactos de asteroides contra a atmosfera da Terra, mas apenas aqueles detectados pelos sistemas de rastreamento.

Os dados revelam que os impactos distribuem-se aleatoriamente ao redor de todo o globo, com poucas áreas menos atingidas - como o Brasil.

Energia de Impacto
Os pontos em laranja são eventos registrados durante o dia, enquanto os pontos azuis são eventos registrados à noite.

Em cada um dos casos a dimensão do ponto é proporcional ao brilho do meteoro, a energia óptica irradiada, medida em bilhões de Joules, que é então convertida em energia total do impacto.

Por exemplo, o menor ponto representado no mapa equivale a 1 bilhão de Joules (1 GJ), que pode ser expressa em termos de uma energia de impacto de 5 toneladas de dinamite. Da mesma forma, os pontos representando 100, 10.000 e 100.000 GJ correspondem a energias de impacto de 300, 18.000 e 1.000.000 de toneladas de dinamite, respectivamente.

O maior evento registrado em todo o período corresponde ao meteoro de Chelyabinsk, que explodiu sobre a Rússia em 15 de Fevereiro de 2013, com uma energia calculada entre 440.000 e 500.000 toneladas de dinamite - calcula-se que o asteroide tinha cerca de 20 metros de diâmetro, sendo o maior registrado no mapa.
----
Matéria original na NASA (em inglês)

Bandeira do Brasil


(O Guardador de Estrelas) No Brasil, o dia 19 de novembro é o Dia da Bandeira, pois foi em um 19 de novembro de 1889, quatro dias após a Proclamação da República, que se adotou oficialmente a bandeira do Brasil republicano que usamos até hoje, e que em 125 anos de história sofreu ligeiras modificações.

Grande parte das bandeiras nacionais possuem estrelas ou elementos de astronomia, mas podemos dizer que a Bandeira do Brasil é uma das mais “astronômicas”, pois ela traz o aspecto celeste do momento e das coordenadas em que nasceu a República Federativa do Brasil. Eu acho isso fantástico!

Crianças passam a noite em planetário do Rio e aprendem sobre o espaço



(Folhinha) Passar uma noite dormindo num museu parece coisa saída de roteiro de cinema, mas, no Planetário da Gávea, no Rio, pode ser uma aventura da vida real.

No projeto "Dormindo com as Estrelas", crianças passam a noite no Museu do Universo. Chegam por volta das 18h e têm uma série de atividades, como observação de estrelas, brincadeiras em simuladores de nave espacial e até desfile de pijamas.

Alunos de um colégio de Vitória, no Espírito Santo, chegaram animados a uma das visitas, acompanhada pela "Folhinha". Colocaram seus travesseiros e cobertores em uma sala cheia de colchonetes e partiram para as descobertas. "Adoro os planetas", disse Gabriel Junqueira, 10.

Para as amigas Luiza Carvalho, 9, Maria Eduarda Surdini, 9, e Júlia Simões, 9, a experiência valeu a pena por dois motivos: conhecer o que há além da Terra e além da cidade delas.

"É minha primeira viagem fora da minha cidade sem a família. Foi uma hora e meia de voo. Achei interessante ver quase todo o espaço daqui", disse Júlia.

As crianças são acompanhadas por um astrônomo, que dá explicações sobre os fenômenos celestes representados nas maquetes e simuladores .

Há a sessão de cúpula, onde assistem a uma projeção das constelações no teto. É quando surgem perguntas sobre as origens dos nomes das estrelas, os desenhos das constelações e, em especial, sobre os temidos buracos negros.

"Buraco negro é o campeão de audiência. Ele tem um dos piores nomes possíveis, porque não é um buraco e sim uma estrela que morreu, que não brilha mais", explicou o astrônomo Alexandre Cherman.

"É um objeto celeste redondo, como a Terra, só que tem muita massa, muita força da gravidade. Se cair na direção desse objeto, nunca mais consegue-se sair, parece que caiu num buraco, por isso o nome."

Tanta informação faz os visitantes quererem saber mais: "A nossa professora fala que o espaço é gigante. Aqui a gente entende como é grande mesmo, como são interessantes as estrelas e como a Lua aumenta as marés. Queria ser astrônomo ou astronauta, sãobons empregos, e deve ser legal viajar para a Lua", disse João Pedro Fiorezi, 10.

Depois de viajar para o espaço e até para o futuro, é hora de comer, escovar os dentes e colocar o pijama. Boa noite, durmam com os anjos. E com as estrelas!

NOITE ESTRELADA
Programa "Dormindo com as Estrelas", do Planetário da Gávea
QUANDO das 18h às 10h; visitas devem ser agendadas pelo tel. (21) 2215-5856 ou pelo e-mail dormindo@espacoevida.com.br
QUANTO R$ 170 (inclui refeições)
CLASSIFICAÇÃO de 7 a 12 anos
----
Mais imagens aqui


Planetário Móvel da FECLI participa de evento na cidade de Campos Sales-CE


(FECLI) No dia 14 de novembro de 2014, o Centro de Vocação Tecnológica - CVT, da cidade de Campo Sales região Cariri do Ceará, promoveu um evento de popularização científica em prol da Semana Nacional de Ciência e Tecnologia. O acontecimento teve parceria com diversas instituições como E. E. E. P. Presidente Médice, Clube de Astronomia Pesquisa e Observação de Campo Sales - CAPO, Escola de ensino Médio de Campo Sales e a Faculdade de Educação, Ciências e Letras de Iguatu - FECLI, unidade da Universidade Estadual do Ceará - UECE da cidade de Iguatu região Centro Sul do Ceará.

Os alunos das escolas apresentaram trabalhos sobre diversas ciências como Física, Biologia, Química, Matemática, Astronomia e exibição de experimentos. Com o Projeto Astronomia Viva, os acadêmicos de Física levaram o planetário móvel da FECLI, proporcionando a comunidade campossalence a experiencia de conhecer um pouco mais sobre o nosso Sistema Solar através do planetário, instigando na população o interesse pela busca do conhecimento científico.

Mais imagens aqui

ENAST 2014 - Palestra BRAMON

19/11/2014

Cientista da sonda Philae pede desculpa por camisa


(DN - Portugal) Matt Taylor, um dos criadores da sonda que aterrou num cometa, desculpou-se em lágrimas por ter aparecido com camisa que tinha mulheres seminuas.

A atualização informativa da missão Rosetta, feita sexta feira pela Agência Espacial Europeia, começou de forma invulgar, com Matt Taylor, um dos cientistas responsáveis pela aterragem da sonda Philae no cometa 67P, a apresentar um comovido pedido de desculpas por ter usado uma camisa de manga curta, cujo padrão consistia em imagens de mulheres seminuas, durante a transmissão em direto das últimas horas da missão.

O mea culpa espontâneo de Matt Taylor surgiu na sequência de uma pergunta da moderadora, sobre a missão e em nada relacionada com a opção de indumentária.

Mas o físico britânico decidiu ir direto ao assunto: "A camisa que usei esta semana...cometi um grande erro e ofendi muitas pessoas, e peço muita desculpa por isso", disse Taylor, que teve de limpar as lágrimas da cara e receber uma palmada amigável nas costas, de um colega, para se recompor.

Só então o cientista respondeu à questão propriamente dita, relacionada com a Philae que - já foi confirmado - conseguiu transmitir toda a informação recolhida no cometa antes de ficar sem bateria.

Apesar do feito inédito alcançado pela equipa da Agência Espacial Europeia (ESA) graças, nomeadamente ao trabalho deste cientista, os internautas não pouparam o episódio da camisa, acusando Taylor de sexismo nas redes sociais.

Agora, depois do emotivo pedido de desculpas, já se assiste à reação oposta - críticas ao tom excessivamente "politicamente correto" das reações indignadas, sobretudo tendo em conta o feito alcançado.
----
Matéria similar na Folha

V Semana de Astronomia de Sergipe


Mais informações aqui

Acrux Anuncia que Spacecamp 2015 Será em Foz do Iguaçu


(Brazilian space) A empresa brasileira “Acrux Aerospace Technologies” de São José dos Campos (SP), anunciou recentemente em seu site que o “SPACECAMP 2015”, evento espacial anualmente realizado pela empresa com o apoio da Olimpíada Brasileira de Astronomia (OBA), será realizado de 09 à 15/03/2015 no Parque Tecnológico de Itaipu em Foz do Iguaçu (PR).

Para maiores informações entre em contato com o e-mail: spacecamp@aatsolutions.net

Participe do Curso Identificação do Céu


O objetivo principal do curso é ensinar os alunos a reconhecerem, no céu noturno, os astros mais brilhantes e as constelações mais conhecidas. Os professores fazem isso através de alinhamentos imaginários no céu, apoiando-se na história e na mitologia como dispositivo mnemônico. Além disso, o curso traz uma visão geral da Astronomia, desde o conhecimento mais fundamental até as descobertas dos dias atuais. Ideal para um primeiro contato com esta ciência. A taxa de inscrição, que será feita somente de forma presencial, é de R$20, incluindo certificado e material didático acompanhar as aulas. De 24 a 27 de novembro das 19h30 às 21h. Inscrições abertas a partir de 17/11.