4 de mai de 2016

Evento reuniu em Canoas participantes de mais de 55 cidades do Brasil


(Unilasalle) Dia 30 de abril de 2016: um dia para falar de astronomia, um dia dedicado à divulgação científica, um dia para entrar na história. Tudo isso porque hoje foi o dia do primeiro Encontro Rio-Grandense de Astronomia (ENAstro), realizado pelo projeto Ciência e Astronomia, fundado pelo acadêmico de Engenharia Química, Cristian Reis Westphal e sediado pelo Unilasalle Canoas. No Salão de Atos lotado o acadêmico mediou as palestras e interagiu com o público vindo de mais de 55 cidades de todo o país. Além deles, interessados de todo o mundo puderam acompanhar o evento em tempo real pelo canal no Youtube.

De acordo com o Reitor do Unilasalle, Prof. Dr. Paulo Fossatti, fsc, que fez a abertura do evento, “a universidade deve estar onde o jovem está” e por isso o Unilasalle abraçou o evento e incentiva, através da área de Inovação e Tecnologia, iniciativas que visem atender os anseios da juventude que busca através da ciência uma solução para o futuro. O Diretor de Graduação, Prof. Me. Daniel Sperb também saudou o público dizendo estar orgulhoso de participar deste momento que é um momento de plantio, que tem muito bons frutos a serem colhidos. Já o Coordenador da área de Inovação e Tecnologia, Prof. Me Alexandre Andreoli lembra que pela identidade comunitária, o Unilasalle promove este tipo de evento pensando no legado que fica para sociedade gaúcha e de outros estados que apoia o tema e que incentiva a promoção da ciência através da astronomia.

E para dar início ao evento, nada melhor do que falar de origem do universo. Cesar Schmitt, professor da Feevale, falou sobre o Big Bang e sobre várias teorias que envolvem a ideia do desenvolvimento inicial do universo e ressaltou que toda tecnologia que temos disponível hoje foi criada a fim de desbravarmos cada vez mais o universo. Valdir Boesel, da Unisinos, falou sobre Buracos Negros e os questionamentos que envolvem essa região do espaço que não pode ser observada, ela é apenas detectada por equações matemáticas. Na sequência, a fala ficou por conta dos rapazes da Sociedade Astronômica Riograndense (Sarg), fundada em 1979 e que foi reconhecida por um tempo como uma das principais entidades divulgadoras da ciência astronômica do Brasil. Luciano Sclovsky, José Francisco Alves, Carlos Frab, Luis Frota, Luiz Machado e Luis Araújo contaram um pouco da história da Sarg, que foi criada por pessoas muito jovens apaixonadas por astronomia, mostraram algumas de suas publicações e contaram dos desafios de desenvolver o material na época e como a sociedade acabou tendo suas atividades encerradas. Mas o momento agora é de reerguer e retomar o grupo e aproveitaram a ocasião para convidar o acadêmico Cristian para fazer a primeira palestra no projeto Ciência no Planetário, que também será retomado em breve.

Daniela Pavani, da UFRGS, deu continuidade ao encontro falando sobre evolução estelar e o quanto a composição química do universo pode ser estudada através das estrelas. “A astronomia além de encantar a todos, é algo que ajuda muito a esclarecer alguns conceitos em sala de aula, tamanha sua interdisciplinaridade”, destacou. Yara Souza, acadêmica de Ciências Biológicas da Universidade do estado do Amazonas (UEA) e integrante do Projeto Ciência e Astronomia, relatou sobre a vida fora da Terra ou sobre astrobiologia, que busca as origens da vida na Terra e como essa vida se adaptaria em outros locais do cosmos. De acordo com Yara, hoje em dia há a possibilidade de se divulgar a ciência de uma forma muito ampla através da internet, porém “é preciso tirar os projetos da internet e promover encontros como este, por isso o Unilasalle está de parabéns por acolher o ENAstro”.

Jorge Quillfeldt, da UFRGS e integrante do Sarg deu continuidade ao tema em sua palestra intitulada “Vida no sistema solar”. Quillfeldt falou da Era da Exoplanet em que vivemos, quando se tem cada vez mais conhecimento sobre novos planetas. Segundo o palestrante há entidades de pesquisa que apontam neste ano o reconhecimento de 2086 planetas no sistema solar e elencou as razões pelas quais a busca não é por vida fora da Terra e sim por água, que é a principal fonte de vida. Além disso, Quillfeldt afirmou que em toda sua trajetória de pesquisa na astronomia nunca tinha visto uma mobilização tão grande em volta do tema como viu hoje no ENAstro. Rafael Cândio, doutorando do Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA) do Paraná e também participante do Ciência e Astronomia, encerrou o ciclo de palestras falando das condições de vida em Titã, o maior satélite natural de Saturno e o segundo maior do sistema solar. O evento foi encerrado com a apresentação de Adrianne Simioni e Zózimo Rech da Astronomusic, a música inspirada na ciência das estrelas.

O ENAstro teve apoio da Sarg e da Tecelaria Doppel e contou com o apoio do Unilasalle por meio de sua área de Inovação e Tecnologia que reúne pesquisa e desenvolvimento aplicados de forma inovadora com o uso de tecnologias de ponta e abordagem interdisciplinar. Além de congregar os cursos de Engenharia de Computação, Engenharia de Telecomunicações, Engenharia Ambiental, Engenharia de Produção, Engenharia Civil, Engenharia Química, Engenharia Mecânica, Ciência da Computação, Arquitetura e Urbanismo, Química, Design Gráfico e Design de Produto, Redes de Computadores e Sistemas para Internet, a área tem cursos de Extensão e Pós-Graduação. Por meio da La Salle Innovation, os currículos dos cursos e as demandas mercadológicas são alinhados, possibilitando que a área de Inovação e Tecnologia do Unilasalle Canoas entregue projetos, produtos e serviços com foco em resultados.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente