16 de set de 2016

Arte e ciência na vida de Galileu: peça teatral sobre vida do cientista estreia 21 de setembro na Tenda da Ciência


(Museu da Vida) Um homem que adorava observar o céu, desafiou a Igreja Católica e acabou enfrentando a Santa Inquisição. A história de Galileu Galilei vai ganhar vida no palco da Tenda da Ciência Virgínia Schall, aqui no Museu da Vida! Baseada no texto “A vida de Galileu”, do dramaturgo Bertolt Brecht, a peça estreará em 21 de setembro, às 15h, e permanecerá em cartaz até 15 de dezembro. A entrada, como sempre, é gratuita!

Matemático, astrônomo e físico italiano nascido em 1564, Galileu, decidido a explorar aspectos desconhecidos do Universo, construiu um telescópio em 1609 com mais capacidade do que os que existiam à época. Manchas solares e os satélites de Júpiter são algumas de suas descobertas. Galileu defendeu a teoria heliocêntrica de Copérnico, segundo a qual o Sol é o centro do Universo e não a Terra, o que o fez ser perseguido pela Igreja Católica. Para fugir da fogueira, teve que negar aquilo em que acreditava.

No palco, os ensaios já acontecem a todo vapor! Nesses momentos, elenco e direção buscam inovar a montagem, a fim de contar a história do cientista para o público jovem e adulto. Música e humor são alguns elementos que prometem agitar a peça! “A ciência e o teatro precisam dos jovens: a juventude tem a mudança nos seus hormônios. Essa peça une arte e ciência e isso já vale a aventura de abrir o pano”, afirma Daniel Herz, diretor geral da peça.

A encenação na Tenda da Ciência buscará associar a questão do autoritarismo com o episódio que ficou conhecido como Massacre de Manguinhos, quando dez cientistas da Fiocruz tiveram seus direitos políticos cassados e foram forçadamente aposentados durante a ditadura militar. Os cientistas foram proibidos de entrar em seus laboratórios e muito de suas pesquisam foram paralisadas. Em 2016, completam-se 30 anos da reintegração desses pesquisadores, que puderam retornar à Fiocruz após a injustiça que sofreram.

“O texto de Brecht traz uma reflexão sobre a relação entre ciência e sociedade e mostra o compromisso do cientista com a humanidade. Além disso, a história explora o que pode acontecer com a ciência em regimes autoritários”, explica Wanda Hamilton, cientista social, atriz do Museu da Vida e uma das responsáveis pela adaptação do texto original.

Segundo o chefe do Museu, Diego Bevilaqua, a peça discute a relação dos cientistas com a sustentação do autoritarismo ou da democracia e liberdade dentro da sociedade e irá levantar a seguinte questão: por que o cientista deve se aproximar da população? Só conferindo pessoalmente para saber qual será o desfecho dessa história!

A peça está sendo realizada com recursos adquiridos por meio de parcerias feitas com o uso da Lei Federal de Incentivo à Cultura (Lei Rouanet). Esse projeto conta com patrocínio master da IBM e copatrocínios da Schott e da Janssen.

A vida de Galileu (de Bertolt Brecht)
Estreia: 21 de setembro, às 15h
Temporada: de 21/9 a 15/12
Duração: 1h20
Local: Tenda da Ciência Virgínia Schall
Horários: Terças, quartas e quintas, às 10h30 e 13h30
Sábados, às 11h: 8 e 29/10 | 12 e 26/11 | 10/12
Endereço: avenida Brasil, n. 4365, Manguinhos, Campus da Fiocruz, Rio de Janeiro
Informações (21) 2590-6747 | Facebook (/museudavida) | Twitter (@museudavida)

Ficha técnica
Direção geral - Daniel Herz
Direção - Daniel Herz e João Marcelo Pallottino
Diretor assistente - Clarissa Kahane
Tradução - Roberto Schwarz
Adaptação do texto – Daniel Herz, Diego Vaz Bevilaqua, Letícia Guimarães e Wanda Hamilton
Elenco - Carol Garcia, Carol Santaroni, Ingra da Rosa, Letícia Guimarães, Lucas Drummond, Pablo Aguilar, Roberto Rodrigues, Sérgio Kauffmann e Tomaz Miranda.
Direção musical e trilha sonora - Leandro Castilho
Cenário - Fernando Mello da Costa
Figurino - Carla Ferraz
Luz - Aurélio de Simoni
Direção de movimento - Janice Botelho
Programação visual - Alana Moreira
Produção - Geraldo Casadei
Produtor Assistente - Mariluci Nascimento

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente