12 de jul de 2018

Educar e ensinar a felicidade

(Nelson Travnik - Sky and Observers) O nascimento do pensamento é igual ao nascimento do ser humano. Tudo começa com um ato de amor, uma semente depositada no ventre vazio. É a semente do sonho, da esperança e do amor. Os educadores antes de especialistas em ferramentas do saber, são artífices em atos de amor e intérpretes de sonhos. Moldam hoje o amanhã.

Ensinar é um exercício de imortalidade, alguma forma de continuarmos a viver e ser sempre lembrados naqueles cujos olhos aprenderam a sentir o seu mundo, cônscios de estar vagando na imensidão cósmica a bordo de um pequeno e frágil planeta azul entre miríades de estrelas da nossa Via Láctea, comparável a um grão de poeira do deserto.

Mas é a nossa casa da qual devemos cuidar. Do contrário estaremos apressando a exaustão completa da natureza. Educar é pois ensinar a felicidade, formando mentalidades para o mundo do amanhã. Infelizmente a sala de aula vem dando lugar a “chupeta eletrônica” e o professor outrora, dono do saber, vê-se constantemente questionado pelos alunos face a rapidez das descobertas vinculadas nos meios de comunicação. É o ônus do progresso nem sempre salutar. Por isso os professores necessitam sempre reciclar conhecimentos e se atualizar participando de seminários e cursos.

Vivemos sob o feitiço do tempo. A vida é como uma sonata que começa e deve terminar. Tempo sem fim é insuportável. Tudo que é belo um dia termina. Nascimento, vida e morte é lei no universo. Beleza e morte andam sempre de mãos dadas. Não é possível sentir o perfume de flores que ainda não nasceram. Só é possível sentir o perfume das flores que estão abertas hoje. Viver intensamente o momento presente porque ele é tudo que temos. “Tempus fugit, Carpe diem”, o tempo foge, colha e aproveita o dia. Inteligência e beleza devem coexistir sempre.

Neste Século Espacial em que quase toda nossa tecnologia é gerada no espaço proporcionando o progresso que desfrutamos, observatórios e planetários são catedrais da fé cósmica, locais de aprendizado constante e reflexão sempre com métodos diferentes e inovadores, visando o crescimento do ser humano. Onde se enfatiza a questão do Meio Ambiente como única forma de preservação do planeta azul. Os professores são os mestres das nossas vidas. Ensinam que é possível alcançar a felicidade oferecendo um sentido a nossa efêmera existência.

Nelson Travnik é astrônomo, diretor do Observatório Astronômico de Piracicaba e Membro Titular da Sociedade Astronômica da França.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente