18 de fev de 2016

Quadros celestes

Um concurso anual realizado na Inglaterra premia as melhores fotos de todo o mundo sobre o espaço e os céus do nosso planeta. Confira aqui alguns dos escolhidos na edição deste ano


(Planeta) A infinita galeria de belas e impressionantes imagens disponíveis nos céus da Terra e no espaço é homenageada desde 2009 na Inglaterra por meio de um concurso fotográfico anual aberto a participantes de todo o mundo: o Insight Astronomy Photographer of the Year. A competição, realizada pelo Observatório Real de Greenwich em parceria com a Insight Investment e a revista BBC Sky at Night, chegou em 2015 à sua sétima edição em crescimento contínuo – apenas neste ano, mais de 2.700 trabalhos foram inscritos, assinados tanto por amadores como por fotógrafos profissionais, provenientes de mais de 60 países.

São várias as categorias premiadas. A lista abrange: Paisagens Celestes; Auroras; Galáxias; Nossa Lua; Nosso Sol; Gente e o Espaço; Planetas, Cometas e Asteroides; Estrelas e Nebulosas; Fotógrafo Jovem de Astronomia do Ano. Há também dois prêmios especiais: o Prêmio Sir Patrick Moore para a Melhor Revelação e o Robotic Scope (que contempla imagens obtidas por telescópios controlados por computadores). Algumas das imagens selecionadas são mostradas nesta reportagem.

O vencedor geral deste ano foi o primeiro colocado na categoria Paisagens Celestes: o francês Luc Jamet, felicíssimo ao captar uma imagem do eclipse total do Sol em 20 de março deste ano no arquipélago de Svalbard (Noruega), acima do Círculo Polar Ártico. Sobre a foto de Jamet, que lhe rendeu 2.500 libras (mais de R$ 15 mil) e lugar de honra na exposição das vencedoras, Marek Kukula, Astrônomo Público do Observatório Real e um dos juízes da competição, afirmou: “O eclipse total do Sol foi um dos destaques astronômicos do ano e Luc Jamet o capturou perfeitamente. Amo a maneira como a paisagem gelada de Svalbard reflete e intensifica as cores evocativas do céu – cores que só ocorrem durante os poucos minutos de totalidade, e que tornam qualquer eclipse uma experiência inesquecível”.

As imagens selecionadas nas outras categorias e os prêmios especiais incluem uma visão inspiradora da Estação Espacial Internacional cruzando a face da Lua a 28.800 km/h, feita por Daniel Fernández Caxete (Espanha), vice-campeã na categoria Nossa Lua; um contato próximo entre o nosso vizinho planeta Marte e o cometa Siding Spring, obtida por Sebastian Voltmer (Alemanha) utilizando o recurso do Robotic Scope; uma etérea imagem de aurora colhida pelo australiano Jamen Percy no Parque Nacional Abisko, na Lapônia sueca; a poética A Flecha Errou o Coração, do grego Lefteris Velissaratos, na qual o cometa Jacques passa na frente da nebulosa NGC 896, a “gota de sangue” que desce da Nebulosa do Coração (IC 1805), pouco acima; e um retrato impressionante do berçário estelar que é a nebulosa de Órion, a 1.300 anos-luz de distância, e da nebulosa NGC 1977, 200 anos-luz mais longe, tirado do Vale do Elan (País de Gales) por David Tolliday (Reino Unido), em sua primeira tentativa de astrofotografia, que lhe rendeu o prêmio Sir Patrick Moore para Melhor Revelação.

As fotos vencedoras estão em exposição no Observatório Real de Greenwich até 26 de junho de 2016. O observatório também colocou à venda um livro especial que contém todos esses trabalhos. Quem se sentir estimulado a participar da próxima competição poderá obter informações sobre ela a partir de janeiro de 2016 na página www.rmg.co.uk/astrophoto. Consultas e dúvidas poderão ser enviadas para o endereço eletrônico astrophotocomp@gmail.com.
----
Matéria com imagens aqui

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente